Em sua 99ª edição, Shokonsai reúne centenas de pessoas em Álvares Machado

Todos os anos, no segundo domingo de julho, a comunidade japonesa se reúne para reverenciar a memória dos antepassados e agradecê-los pelos ensinamentos deixados. A tradição, realizada durante o evento denominado Shokonsai – que atrai centenas de pessoas, não só da nacionalidade oriental –, neste dia 14, chegou a sua 99ª edição.

As homenagens foram realizadas no Cemitério Histórico Japonês, localizado em Álvares Machado.

Diversas atividades foram realizadas durante o dia no local, que é tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat). Porém, o ápice do evento acontece ao pôr do sol, quando é realizado o “ritual das velas”.

https://scontent.fbau1-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/61733353_469352667203763_890349602383855616_o.jpg?_nc_cat=106&_nc_eui2=AeE2RERFl0uszHtRNIw_vV52ZuTnqZHGJTx2PDScgHLR9MaF36IJ-l6RzN1_2Ktga4bxb7Y9yTucgY41tZUc8Ri4cjXSIJ1MNeREtY5RztxwIA&_nc_oc=AQk1BFR1s5Ch-uCnkJnVaofQLxSpx79W4c-2gGc545zpO_vE-UABophwqUGIMNSQkDjP_Xy-i0dzI0OlRfdludsh&_nc_ht=scontent.fbau1-1.fna&oh=85a31faba3aae0b1f282d6aea0ebc364&oe=5DB907EA
Tradição e cultura

O Shokonsai é realizado desde 1920 e, segundo a organização, nestes 99 anos não foram registradas chuvas no dia do evento, somente na data anterior ou posterior.

O cemitério japonês foi criado, extraoficialmente, entre 1918 e 1919, com a chegada dos primeiros japoneses ao Oeste Paulista.

Álvares Machado era a cidade com a maior concentração de descendentes orientais, entretanto o único cemitério próximo ficava em Presidente Prudente, o que dificultava a realização de enterros, já que os mortos tinham de ser levados a pé em macas improvisadas.

Na época houve uma epidemia de febre amarela e, com a dificuldade já constatada, pois um senhor havia morrido da doença e seu corpo fora levado por 15 quilômetros até Presidente Prudente, membros da colônia realizaram os procedimentos necessários para oficializar um cemitério mais próximo, que se tornou “exclusivo” aos japoneses.

Até o ano de 1943, foram sepultadas 784 pessoas, ocasião em que o presidente Getúlio Vargas interveio e proibiu os enterros por entender que havia uma discriminação racial. Apenas um dos sepultados não é japonês, o Manoel, que não teve sua família identificada, mas morreu defendendo uma família japonesa de bandido.

O cemitério japonês de Álvares Machado é o único desta etnia fora do Japão e é mantido pela Associação Cultural, Esportiva e Agrícola Nipo-Brasileira de Álvares Machado (Aceam).

 

G1 Prudente

 

https://scontent.fbau1-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/62004342_468199650652398_4527278349009027072_o.jpg?_nc_cat=102&_nc_eui2=AeFIom0O5VWfNn-50MFg-LU7l9qsTLH74G8V6NlRr0Q1od_rCWOOfokh5c7BlEQLQlgTqpAn6iwTy_5iGX9vUUxQ6_leIVqp50o9m2mtehjv5g&_nc_oc=AQmTXnsPV0h_H2-XwY9J4Zt71meBLSFxV7KT-9PTzeVjop2ZtxcEPSFRXoC1uEY9JmtpK_pb1TlUUxk5R_dCOfkA&_nc_ht=scontent.fbau1-1.fna&oh=74a7343f08873f23c09dfb205e0d9769&oe=5DAF3E1D

VOCÊ PODE GOSTAR

TV Folha Regional