Connect with us

Geral

ARTIGO: As prefeituras e a questão do lixo

Publicado

em

Na maioria das cidades do planeta Terra, sejam elas grandes ou pequenas, existem governantes preocupados com a questão do destino final do lixo gerado pela população. Apesar dessa tendência mundial, o importante tema não está sendo tratado como deveria na maioria dos municípios da Nova Alta Paulista.

O lamentável descaso tem custado muito caro para a sociedade. Não só pelas altas taxas de limpeza pública, mas principalmente pela degradação ambiental existente em quase todos os lugares. Não é difícil encontrarmos lixo nas áreas verdes urbanas e às margens das estradas rurais. A omissão das prefeituras nesse assunto é antiga , e não vai acabar tão cedo. Vejamos alguns (maus) exemplos. 

Em 2015, percebendo que o aterro sanitário de Adamantina estava com a sua capacidade se esgotando, começamos cobrar, de forma contundente, por meio de artigos na imprensa (temos vários textos arquivados) providências da administração para adquirir uma área de terras para implantar um novo aterro sanitário no município. Infelizmente, fizeram ouvidos moucos aos nossos reclames. Resultado. Em 2019, o aterro sanitário foi interditado pelos órgãos ambientais estaduais.

Com a interdição, a prefeitura teve que contratar um aterro sanitário privado da cidade de Quatá para depositar o lixo urbano, a um custo mensal maior que o valor de um alqueire de terras na zona rural da Cidade Joia.  Pouco depois, uma empresa, também privada, colocava em funcionamento um novo aterro sanitário, no Bairro Aidelândia, em Adamantina. Hoje, além do dinheiro pago todo mês para essa empresa, está ficando em nosso município o passivo ambiental de várias cidades da região.

Dracena é outro município que vive momentos difíceis pelas sucessivas más gestões na questão do lixo. Lá como cá, por falta de planejamento, a prefeitura está gastando em torno de 150 mil reais ao mês para depositar o lixo domiciliar no aterro sanitário privado de Adamantina. Como solução para este problema, no mês passado, o prefeito André Lemos enviou ao Poder Legislativo um pedido de autorização para contrair um empréstimo de R$ 31 milhões, por meio do Programa Desenvolve SP, para adquirir uma usina de pirólise (a palavra vem do grego pyrós/fogo + lýsis/dissolução) para o tratamento do lixo gerado na cidade.

Segundo explicações de agentes políticos e de pessoas próximas ao prefeito de Dracena, a pretendida usina de pirólise, além de resolver a questão do lixo, geraria receitas financeiras em energia elétrica e outros produtos, suficientes para pagar as parcelas do financiamento pretendido, o que seria um ótimo negócio para o município e, claro, para o meio ambiente. Com isso, os vereadores da base governista não pensaram duas vezes para concordar com o projeto do chefe do Poder Executivo.

Entretanto, os parlamentares independentes (Célio A. Ferregutti, Julio Cesar M. da Silva, Rodrigo R. Parra e Victor Silva A. Palhares) agindo com o bom-senso que um tema de tamanha magnitude exige, foram a campo pesquisar sobre a viabilidade do projeto. Não encontrando muita coisa que justificasse o alto investimento, numa última tentativa de evitar que o município contraísse uma divida milionária em algo que pode dar errado, os citados edis propuseram uma audiência pública para que a população desse a palavra final sobre o assunto; pois, de um jeito ou de outro, é do bolso do povo que vai sair o dinheiro para pagar a conta.

A democrática audiência pública, como esperado, não prosperou, e o pedido de autorização para o vultuoso empréstimo foi aprovado pelos vereadores governistas. Resta saber se o município tem saúde financeira e capacidade de endividamento suficiente para atender as regras do Programa Desenvolve SP. Ao que parece, apontamentos do TCE indicam que não.

Mesmo assim, ainda existe uma alternativa para o prefeito colocar em prática a sua brilhante ideia. Propor uma parceria com a empresa que comercializa o maquinário usado na inovadora técnica, onde a prefeitura forneceria a matéria prima (lixo) e os empresários ficariam com o dinheiro obtido pela venda da energia e dos outros produtos gerados pelo lucrativo sistema de tratamento de lixo. Nada mais justo. Ganharia a empresa, e ganharia o contribuinte dracenense.

Por fim, uma pergunta. Sendo o lixo urbano um problema da maioria das cidades da região, será que não passou da hora da AMNAP (Associação dos Municípios da Nova Alta Paulista) buscar uma solução coletiva para a importante questão?

 

 

Publicidade

Geral

Carreta carregada com etanol tomba em ribanceira na SP-304 em São Pedro

Published

on

Uma carreta carregada com etanol tombou na Rodovia Geraldo de Barros (SP-304) em São Pedro (SP), na manhã desta terça-feira (20). O motorista teve ferimentos leves.

O acidente foi por volta de 8h10, no quilômetro 199 da pista. O veículo tombou em uma ribanceira na lateral da via. A Polícia Rodoviária, o Corpo de Bombeiros e a concessionária Eixo SP estão no local verificando a logística para destombamento do veículo.

O local precisou ser interditado para o trabalho das equipes, mas às 9h50 já estava liberado para trânsito.

A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) informou que uma técnica foi ao local e acompanha as ações por conta da carga de etanol. A informação é que não houve vazamento, mas a Cetesb vai acompanhar os trabalhos até a finalização da ocorrência.

Continue lendo

Geral

Estrutura de prédio desaba e esmaga carro em Chavantes

Published

on

Parte da estrutura de um prédio caiu e esmagou um carro, na tarde desta segunda-feira (19), em Chavantes (SP).

O acidente foi registrado por volta das 16h50, quando parte da edificação do antigo prédio da Associação Atlética Chavantense desabou, atingindo o veículo que estava estacionado nas proximidades do local, na Rua Coronel Júlio Silva. Apesar do susto, ninguém ficou ferido.

O imóvel, que está abandonado, já foi sede da Superintendência de Água e Esgoto da cidade. As autoridades locais investigam as causas do desabamento.

Continue lendo

Geral

Motorista morre após perder controle de carro e bater em poste na Marechal Rondon em Itu

Published

on

O motorista de um carro morreu após bater em um poste na Rodovia Marechal Rondon, em Itu (SP). O acidente foi na manhã desta segunda-feira (19).

De acordo com a Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), a vítima seguia pelo quilômetro 118,5, quando perdeu o controle da direção do veículo e acertou o poste.

A vítima chegou a ser socorrida e encaminhada ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. O veículo foi retirado do trecho, por volta das 15h, e encaminhado para a base da Polícia Militar Rodoviária. O local passou por perícia técnica.

Continue lendo

Mais Lidas

error: O conteúdo está protegido !!