Connect with us

Geral

ARTIGO: O tempo é o senhor da razão

Publicado

em

ARTIGO: O tempo é o senhor da razão

Por: Nivaldo Londrina Martins do Nascimento (Mtb 35.079/SP.)

Por conta do meu último artigo, uma alma penada disse que sou um vidente intelectual. Como na “brincadeira” percebi um tom pejorativo e certo preconceito, quero deixar claro ao nobre cidadão que respeito as ciências ocultas, porém não tenho nenhum poder extrassensorial. Quanto a ser chamado de intelectual, nunca fiz nada que justificasse tão importante tratamento. Apesar de ter publicado alguns livros, sou apenas um pobre articulista que costuma abordar com mais profundidade os assuntos de interesse coletivo. Em Adamantina, não é preciso ser vidente ou intelectual para saber que as patacoadas recorrentes em alguns setores da cidade sempre acabam dando errado.

Em 2003, por exemplo, ao escrever sobre a situação em que se encontrava a Santa Casa de Adamantina, encerrei o texto com a seguinte frase/previsão: “Agora só resta à população se unir para reconstruir e, por que não dizer, devolver aos adamantinenses um pouco da dignidade tirada no decorrer dos últimos anos, mesmo que para isso seja necessário buscar médicos até em Cuba”. Por ter falado em médicos cubanos, quase fui linchado pelos integrantes de elitizada categoria profissional. Entretanto, em 2013, foi criado o Programa Mais Médicos no Brasil, e logo chegaram vários médicos cubanos para fazer a diferença no atendimento das pessoas mais humildes na Cidade Joia.

Com a ascensão do obscurantismo na política, o Programa Mais Médicos foi encerrado em 2019 e a qualidade da saúde pública despencou no país. Aqui faço um adendo. Graças ao trabalho que membros do Poder Judiciário vinham fazendo junto à Santa Casa, diferente do que ocorreu em municípios vizinhos, a saúde não virou um caos em Adamantina. Oportuno lembrar ainda da atuação dos promotores e dos juízes da cidade em favor da antiga Clínica de Repouso Nosso Lar, hoje Clínica PAI Nosso Lar. Foram eles que conseguiram a extinção de uma dívida com a União, que corrigida, chegava à R$39 milhões, e assim garantiram o emprego de 104 trabalhadores e o atendimento à 144 pacientes na casa de saúde. Poucos fizeram tanto pela saúde na Cidade Joia.

Relatados esses fatos que não podem ser esquecidos pela população, recordemos outra “previsão” deste humilde cronista que muitos duvidaram que fosse se concretizar. No final de 2022, lancei o livro Meu legado de lutas socioambientais. Na obra, que acabou me rendendo o honroso título de Cidadão Adamantinense, eu falo um pouco da minha trajetória em favor das causas coletivas. Inclusive, está registrado nela, o passo a passo do trabalho que fizemos na discussão das alterações da Lei Complementar nº 94/2007 (Plano de Carreira do Magistério Público Municipal de Adamantina), enviadas, em dezembro de 2021, pelo chefe do Executivo à Câmara dos Vereadores.

No início do registro, faço uma pequena homenagem aos professores que lutaram pela manutenção dos seus direitos, dedicando aos valorosos profissionais o Poeminha do contro, de Mário Quintana, que não por acaso, diz: Todos esses que ai estão/ Atravancando o meu caminho/ Eles passarão…/ Eu passarinho/ No final do texto, três frases exprimem o meu sentimento em relação ao resultado da votação dos vereadores: “Não vou dizer que este ou aquele parlamentar se equivocou na hora de votar. A história vai mostrar quem tinha razão e vai cobrar de quem errou. Vida que segue”.

A vida seguiu o seu rumo e o desfecho do caso não foi dos melhores para algumas autoridades políticas. O Egrégio Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, em decisão de segunda instância, julgou procedente Reclamação Trabalhista, com pedido de pagamento em pecúnia de 1/3 sobre os 15 dias de recesso escolar, conforme era previsto em dispositivo revogado na Lei Complementar nº 94/2007. Na ocasião, alertamos sobre o disposto no artigo 468 da CLT. Todavia, o referido dispositivo legal foi desprezado. Como previsto, esse direito deve ser mantido aos professores que trabalhavam na rede municipal de ensino na data da promulgação das mudanças aprovadas na Câmara Municipal de Adamantina. O tempo é o senhor da razão.

Publicidade

Geral

ARTIGO: Coadjuvantes preocupantes

Published

on

Por: Nivaldo Londrina Martins do Nascimento (Mtb 35.079/SP.)

Conforme consta nos principais dicionários, o termo “coadjuvante” refere-se a algo ou alguém que auxilia ou contribui para o desenvolvimento de uma ação principal, mas que não ocupa o papel central. Em contextos como o cinema e o teatro, um ator coadjuvante é aquele que interpreta personagens secundários, porém essenciais para a trama. A palavra “coadjuvante” tem origem no latim “coadjuvans”, que significa “aquele que ajuda”. O termo é composto pelo prefixo “co-” (junto) e “adjuvans” (ajudando).

Existem muitos sinônimos para o termo “coadjuvante”, entre os quais: colaborador, consorte, parceiro, participante, cooperante, colega, companheiro, coautor e coadjutor. Os “coadjuvantes” estão na maioria das atividades humanas, inclusive na política, onde desfilam os chamados “coadjuvantes preocupantes”. Detalhe. Não estamos falando dos cabos eleitorais e muito menos dos correligionários dos candidatos. Estamos falando das pessoas cujos “currículos” costumam atrapalhar campanhas eleitorais.

Enquanto os cabos eleitorais são remunerados para pedir votos e os correligionários fazem campanha de graça porque acreditam nas propostas do candidato, a grande maioria dos “coadjuvantes preocupantes” são movidos por interesses obscuros. É aí que mora o perigo para os dois lados de uma mesma moeda. Não é de hoje que a sabedoria popular fala que “quem mistura-se com porcos, farelo come” e que “passarinho que acompanha morcego costuma dormir pendurado de cabeça para baixo”.

A esse respeito, a história registra muitos incidentes envolvendo “coadjuvantes preocupantes” na Nova Alta Paulista. Esses seres, “cheios de boas intenções”, além de atrapalhar campanhas dadas como favas contadas, costumam causar sérios problemas para quem consegue superar a “companhia” deles e é eleito. Como todos sabem, há alguns anos um ex-prefeito perdeu o mandato por conta de um grave “erro” cometido por um assessor. O que poucos sabem, é que esse mesmo ex-prefeito chegou a ser ameaçado de morte por não ter cumprido um “acordo” feito por um “coadjuvante preocupante” na realização de uma famosa festa verde.

A propósito, existem grupos que costumam apoiar campanhas políticas que também têm os seus “coadjuvantes preocupantes”. Como bem disse o pré-candidato a vereador Sebar, em pedagógica entrevista concedida ao radialista Jonas Bonassa, não é por acaso que algumas empresas “patrocinam” campanhas políticas. As “doações” feitas por elas, são na verdade “investimentos” programados para dar um belo retorno aos seus cofres e nunca ao bem-estar coletivo. Vale dizer ainda que essa prática criminosa ocorre em todos os entes da federação e é aceita pela maioria dos partidos políticos.

Falta aos pré-candidatos ao cargo de prefeito um olhar mais atento ao entorno deles, e aos eleitores uma busca criteriosa (de preferência com a ajuda da lanterna de Diógenes) para saber em quem votar nas eleições de outubro. Afinal de contas, como dizia a minha saudosa avó Augusta Maria Bauer: “diga-me com quem andas e lhe direi quem és” ou então “onde há fumaça há fogo”. Obs: Dedico este texto ao querido amigo que, brincando, me falou sobre a existência dos dissimulados “coadjuvantes preocupantes”.

Continue lendo

Geral

Reforma Tributária: governo federal e Congresso Nacional juntos pela simplificação e justiça tributária

Published

on

Por Alexandre Padilha

 

Em alguns momentos, muitos duvidaram que esse momento chegaria, mas, enfim, ele chegou: avançamos em mais uma fase e aprovamos a regulamentação da Reforma Tributária na Câmara dos Deputados. Essa regulamentação simplifica a questão dos impostos e promove justiça tributária no Brasil. É importante destacar que o texto base da Reforma já havia sido aprovado no Congresso Nacional no ano passado, mas ainda era necessário estabelecer algumas regras, por isso, a regulamentação. O próximo passo é a Reforma ser totalmente aprovada no Senado.  

Esse foi mais um passo importante para mantermos nossa economia no rumo certo. Nossas taxas de crescimento econômico superam as expectativas e avaliações pessimistas de alguns analistas do mercado. Quem não confiar no comprometimento do governo federal com responsabilidade econômica social e fiscal, vai perder dinheiro.

O fim da balbúrdia tributária é compromisso do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do Congresso Nacional, que trabalham em parceria para alavancar nossa política econômica com responsabilidade e credibilidade. Esse trabalho conjunto, feito por muitas mãos, se deve à retomada do diálogo institucional com respeito e confiança.

Gestores e técnicos do governo federal de diversos Ministérios, em especial do Ministério da Fazenda, nós, da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República, responsáveis pela articulação do governo com o Congresso Nacional, estabelecemos um diálogo permanente com os parlamentares do Grupo de Trabalho, criado na Câmara dos Deputados para elaboração do relatório final da Reforma. O documento contou com grau de consensos para o avanço da economia, seja na redução de impostos para a maioria da população ou para quem quer investir no país.

Na Reforma Tributária, cinco impostos (PIS, Cofins, ICMS, IPI e ISS) serão substituídos por três impostos sobre o consumo:  Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) e Imposto Seletivo (IS). Com a Reforma, não haverá aumento de carga tributária, haverá mais emprego, mais crescimento e aumento de consumo dos brasileiros

Na prática, a Reforma significa comida mais barata, zero imposto de alimentos na cesta básica, isenção de carnes e medicamentos – ou com redução de 60% da alíquota -, ‘cashback’ pelo imposto cobrado as famílias cadastradas no CadÚnico, imposto seletivo para produtos considerados prejudiciais à saúde, equilíbrio regional, ambiente favorável para novos investimentos, simplificando a tributação dos empresários e gerando mais empregos no país.

 

Ainda na sintonia de possibilitar a justiça tributária para ampliação do consumo, em especial, daqueles que mais precisam, vamos trabalhar, agora, em parceria com o Senado Federal para que o texto final seja aprovado até o fim do ano.

 

*Alexandre Padilha é médico, professor universitário, Ministro das Relações Institucionais da Presidência da República e deputado federal licenciado (PT/SP). Foi Ministro da Coordenação Política no primeiro governo Lula, da Saúde no governo Dilma e Secretário da Saúde na gestão Fernando Haddad na cidade de SP.

 

Continue lendo

Geral

Neste atual PROVINCIANO com suas MESMICES DE SEMPRE…

Published

on

“A genialidade de um bom líder é deixar para trás uma situação com a qual o senso comum, sem a graça da genialidade, consegue lidar de forma bem-sucedida.” (Walter Lippmann)

 

By seb@r.

Faz algumas semanas que o AR PROVINCIANO anda um tanto quanto POLUÍDO, isso é, mais do que o normal, se bem que fica complicado tentar enquadrar o CENÁRIO local neste contexto de normalidade e assim por diante…

Outra coisa deste mesma COISA, parece que nos lados das PAREDES ALVAS os desencontros continuam de um lado para o outro, também, com aquele TIME um tanto quanto DESNOTEADO, nada pode avançar para o BEM COMUM…

Neste MEIO TERMO, ou seja, de um lado apenas PAREDES e do outro, apenas DISCURSOS em nome disto ou daquilo, assim, o GESTOR PINOQUIANO continua correndo de um lado para o outro, todavia, prevalece sempre a MESMICE DE SEMPRE…

Trocaram o NOME, portanto, o FILHOTE perdeu o seu lugar comum ao lado do EXECUTOR, tal prática vem ocorrendo faz anos e anos, haja vista as TROCAS NADA SIMBÓLICAS que estiveram neste MEIO TEMPO QUASE FINAL…

Porém, não se pode deixar de lado que existem muitas CARTAS nesta ou naquela outra MANGA (sic), tendo em vista que o JOGO continua mais VICIADO do que nunca…

Os famigerados tais GRUPOS de APOIO, neste caso em especial, TRAVESTIDOS DE PARTIDO POLÍTICOS, continuam com as mesmas MANOBRAS de sempre, portanto, registra-se mais uma vez o velho dito popular, a saber: MUDAM AS MOSCAS, MAS A M… É SEMPRE A MESMA…

Tal qual aqueles VELHOS TEMPOS, todavia, como este é um PAÍS SEM MEMÓRIA, ficar sempre o DITO PELO NÃO DITO, por isso, faz-se necessário estar sempre em sintonia com a REFLEXÃO CRÍTICA para o BEM ou para o MAL, porém, pode ser pelo lado BOM ou pelo lado MAU…

O que pode ocorrer daqui pra frente vai depender do GRAU deste ou daquele PAVÃO, isso mesmo, com os 4 PRÉ do APOCALÍPSE PROVINCIANO, fica mais do que complicado determinar o nível de atuação deste GRUPO contra os outros GRUPOS de um mesmo GRUPO…

No meu caso em especial, VOTO EM BRANCO, isso mesmo, não estou comprometido com essas CAUSAS que buscar apenas o PODER pelo PODER com o PODER…

Ah! Com certeza, por trás deste PSEUDO PODER encontra-se as DITAS, talvez, MALDITAS TROCAS em nome disto ou daquilo, desta forma, cada qual deve saber pra onde IR, se possível, pensando em VOLTAR…

Pra reforçar, PERDERAM MANÉS!

QUEM SOBREVIVER VAI SABER,,,

 

__________________________________

e-mail: [email protected]

 

Continue lendo

Mais Lidas

error: O conteúdo está protegido !!