Connect with us

Geral

Aracy Balabanian morre aos 83 anos

Publicado

em

Morreu na manhã desta segunda-feira, 7, aos 83 anos, a atriz Aracy Balabanian. Ela estava sob cuidados paliativos na clínica São Vicente, na Gávea, Zona Sul do Rio de Janeiro. A atriz foi diagnosticada com câncer no pulmão em outubro de 2022. 

Aracy ficou conhecida por dar vida a Dona Armênia, na novela Rainha da Sucata (1990) e a Cassandra, no dominical Sai de Baixo(1996-2002). Ela ainda atuou em A Próxima Vítima (1995), Saramandaia (2013), Geração Brasil (2017) e Sol Nascente (2016).

Em 2019, ela gravou uma participação no especial de fim de ano Juntos A Magia Acontece. No ano anterior, ela também fez uma aparição em Malhação: Vidas Brasileiras.

Ainda não há informações sobre velório e enterro da artista. Nas redes sociais, anônimos e famosos se despediram da artista, homenageando seu legado e relembrando trabalhos em mais de 50 anos dedicados à arte.

Miguel Falabella destacou a parceria dos dois em cena e o quanto a amava.

“E então você se foi, assim, nesse dia ensolarado, como são ensolaradas as lembranças que invadem a minha cabeça, num jorro incessante, ainda que meu coração esteja nublado. Minha amada Aracy, minha rainha, atriz de primeira grandeza, companheira irretocável, amor de muitas vidas”

A carreira de Aracy Balabanian
Filha de imigrantes e natural de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, Aracy se interessou pelo teatro ainda criança, quando morava em São Paulo e foi levada pelas irmãs para assistir uma peça de Carlo Goldoni com a companhia de Maria Della Costa.

“Chorei muito. Estava emocionada porque era aquilo que eu queria. É muito difícil para uma criança de 12 anos, ainda mais naquela época, querer ser atriz e já perceber que ia ter muitas dificuldades”, relembrou ela ao site Memória Globo.

Descendente de armênios, a artista não teve aceitação familiar quando decidiu seguir o caminho da arte, apenas de seu pai. Em entrevista ao Conversa com Bial, em 2022, Aracy contou que ficou 10 anos nesse “entrevero” com ele. 

“Nós levamos nesse entrevero, meu pai e eu, mais de 10 anos, [ele] tirando mesada, impondo todas as dificuldades para que eu não fizesse. Mas Antônia Maria não deu, foi quando ele cedeu. E foi quando ele faleceu”, contou. “Quando foram tirar o paletó dele, caíram muitas fotos minhas autogrofadas. Porque ele fazia isso, fazia eu autogrofar [as fotos] e saía distribuindo. E falava ‘sabe quem eu sou?’. E muito contente porque eu não tinha mudado meu nome. Era garoto propaganda [do trabalho da atriz]. Foi lindo, foi o que me aliviou quando ele faleceu, em poder pensar: ‘Conquistei papai’ “.  

Aracy Balabanian se formou na Escola de Arte Dramática da Universidade de São Paulo (USP) e estreou na televisão em 1965,  protagonizando Antígona, de Sófocles, numa versão teleteatral pioneira da TV Tupi. Anteriormente, ela já havia se destacado pela atuação nos palcos com o grupo Teatro Brasileiro de Comédia, o TBC.

A partir de sua estreia na televisão, ela começou a se dividir entre as telas e o tablado. Entre os projetos que integrou, destacam-se títulos como O Casarão (1976), Coração alado (1980), Vila Sésamo (1972) e Locomotivas (1986) que, inclusive, estreou no Globoplay no dia 19 de julho.

Aracy Balabanian fez dois abortos
A intérprete de Cassandra, em Sai de Baixo, não teve filhos nem se casou. Em entrevista à Quem, ela disse que seus 13 sobrinhos, 12 sobrinhos-netos e bisnetos, além da afilhada Antônia Sampaio, eram o bastante. 

No entanto, Aracy chegou a engravidar duas vezes. Em ambos os casos, optou pelo aborto, já que preferia investir na sua carreira de atriz.

Em sua biografia, intitulada Nunca Fui Anjo, Aracy revelou foi submetida ao procredimento em clínica clandestina. A primeira vez ocorreu quando ainda estava no início de sua trajetória profissional e foi abandonada pelo seu primeiro namorado durante a gravidez

Já a segunda interrupção foi motivada pela situação de violência por parte do namorado, que tentava restringir sua carreira e a pressionava para casar e ter um filho, o que ela não estava disposta a fazer. Aracy sempre prezou por sua independência e carreira.

Publicidade

Geral

ARTIGO: Coadjuvantes preocupantes

Published

on

Por: Nivaldo Londrina Martins do Nascimento (Mtb 35.079/SP.)

Conforme consta nos principais dicionários, o termo “coadjuvante” refere-se a algo ou alguém que auxilia ou contribui para o desenvolvimento de uma ação principal, mas que não ocupa o papel central. Em contextos como o cinema e o teatro, um ator coadjuvante é aquele que interpreta personagens secundários, porém essenciais para a trama. A palavra “coadjuvante” tem origem no latim “coadjuvans”, que significa “aquele que ajuda”. O termo é composto pelo prefixo “co-” (junto) e “adjuvans” (ajudando).

Existem muitos sinônimos para o termo “coadjuvante”, entre os quais: colaborador, consorte, parceiro, participante, cooperante, colega, companheiro, coautor e coadjutor. Os “coadjuvantes” estão na maioria das atividades humanas, inclusive na política, onde desfilam os chamados “coadjuvantes preocupantes”. Detalhe. Não estamos falando dos cabos eleitorais e muito menos dos correligionários dos candidatos. Estamos falando das pessoas cujos “currículos” costumam atrapalhar campanhas eleitorais.

Enquanto os cabos eleitorais são remunerados para pedir votos e os correligionários fazem campanha de graça porque acreditam nas propostas do candidato, a grande maioria dos “coadjuvantes preocupantes” são movidos por interesses obscuros. É aí que mora o perigo para os dois lados de uma mesma moeda. Não é de hoje que a sabedoria popular fala que “quem mistura-se com porcos, farelo come” e que “passarinho que acompanha morcego costuma dormir pendurado de cabeça para baixo”.

A esse respeito, a história registra muitos incidentes envolvendo “coadjuvantes preocupantes” na Nova Alta Paulista. Esses seres, “cheios de boas intenções”, além de atrapalhar campanhas dadas como favas contadas, costumam causar sérios problemas para quem consegue superar a “companhia” deles e é eleito. Como todos sabem, há alguns anos um ex-prefeito perdeu o mandato por conta de um grave “erro” cometido por um assessor. O que poucos sabem, é que esse mesmo ex-prefeito chegou a ser ameaçado de morte por não ter cumprido um “acordo” feito por um “coadjuvante preocupante” na realização de uma famosa festa verde.

A propósito, existem grupos que costumam apoiar campanhas políticas que também têm os seus “coadjuvantes preocupantes”. Como bem disse o pré-candidato a vereador Sebar, em pedagógica entrevista concedida ao radialista Jonas Bonassa, não é por acaso que algumas empresas “patrocinam” campanhas políticas. As “doações” feitas por elas, são na verdade “investimentos” programados para dar um belo retorno aos seus cofres e nunca ao bem-estar coletivo. Vale dizer ainda que essa prática criminosa ocorre em todos os entes da federação e é aceita pela maioria dos partidos políticos.

Falta aos pré-candidatos ao cargo de prefeito um olhar mais atento ao entorno deles, e aos eleitores uma busca criteriosa (de preferência com a ajuda da lanterna de Diógenes) para saber em quem votar nas eleições de outubro. Afinal de contas, como dizia a minha saudosa avó Augusta Maria Bauer: “diga-me com quem andas e lhe direi quem és” ou então “onde há fumaça há fogo”. Obs: Dedico este texto ao querido amigo que, brincando, me falou sobre a existência dos dissimulados “coadjuvantes preocupantes”.

Continue lendo

Geral

Reforma Tributária: governo federal e Congresso Nacional juntos pela simplificação e justiça tributária

Published

on

Por Alexandre Padilha

 

Em alguns momentos, muitos duvidaram que esse momento chegaria, mas, enfim, ele chegou: avançamos em mais uma fase e aprovamos a regulamentação da Reforma Tributária na Câmara dos Deputados. Essa regulamentação simplifica a questão dos impostos e promove justiça tributária no Brasil. É importante destacar que o texto base da Reforma já havia sido aprovado no Congresso Nacional no ano passado, mas ainda era necessário estabelecer algumas regras, por isso, a regulamentação. O próximo passo é a Reforma ser totalmente aprovada no Senado.  

Esse foi mais um passo importante para mantermos nossa economia no rumo certo. Nossas taxas de crescimento econômico superam as expectativas e avaliações pessimistas de alguns analistas do mercado. Quem não confiar no comprometimento do governo federal com responsabilidade econômica social e fiscal, vai perder dinheiro.

O fim da balbúrdia tributária é compromisso do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do Congresso Nacional, que trabalham em parceria para alavancar nossa política econômica com responsabilidade e credibilidade. Esse trabalho conjunto, feito por muitas mãos, se deve à retomada do diálogo institucional com respeito e confiança.

Gestores e técnicos do governo federal de diversos Ministérios, em especial do Ministério da Fazenda, nós, da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República, responsáveis pela articulação do governo com o Congresso Nacional, estabelecemos um diálogo permanente com os parlamentares do Grupo de Trabalho, criado na Câmara dos Deputados para elaboração do relatório final da Reforma. O documento contou com grau de consensos para o avanço da economia, seja na redução de impostos para a maioria da população ou para quem quer investir no país.

Na Reforma Tributária, cinco impostos (PIS, Cofins, ICMS, IPI e ISS) serão substituídos por três impostos sobre o consumo:  Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) e Imposto Seletivo (IS). Com a Reforma, não haverá aumento de carga tributária, haverá mais emprego, mais crescimento e aumento de consumo dos brasileiros

Na prática, a Reforma significa comida mais barata, zero imposto de alimentos na cesta básica, isenção de carnes e medicamentos – ou com redução de 60% da alíquota -, ‘cashback’ pelo imposto cobrado as famílias cadastradas no CadÚnico, imposto seletivo para produtos considerados prejudiciais à saúde, equilíbrio regional, ambiente favorável para novos investimentos, simplificando a tributação dos empresários e gerando mais empregos no país.

 

Ainda na sintonia de possibilitar a justiça tributária para ampliação do consumo, em especial, daqueles que mais precisam, vamos trabalhar, agora, em parceria com o Senado Federal para que o texto final seja aprovado até o fim do ano.

 

*Alexandre Padilha é médico, professor universitário, Ministro das Relações Institucionais da Presidência da República e deputado federal licenciado (PT/SP). Foi Ministro da Coordenação Política no primeiro governo Lula, da Saúde no governo Dilma e Secretário da Saúde na gestão Fernando Haddad na cidade de SP.

 

Continue lendo

Geral

Neste atual PROVINCIANO com suas MESMICES DE SEMPRE…

Published

on

“A genialidade de um bom líder é deixar para trás uma situação com a qual o senso comum, sem a graça da genialidade, consegue lidar de forma bem-sucedida.” (Walter Lippmann)

 

By seb@r.

Faz algumas semanas que o AR PROVINCIANO anda um tanto quanto POLUÍDO, isso é, mais do que o normal, se bem que fica complicado tentar enquadrar o CENÁRIO local neste contexto de normalidade e assim por diante…

Outra coisa deste mesma COISA, parece que nos lados das PAREDES ALVAS os desencontros continuam de um lado para o outro, também, com aquele TIME um tanto quanto DESNOTEADO, nada pode avançar para o BEM COMUM…

Neste MEIO TERMO, ou seja, de um lado apenas PAREDES e do outro, apenas DISCURSOS em nome disto ou daquilo, assim, o GESTOR PINOQUIANO continua correndo de um lado para o outro, todavia, prevalece sempre a MESMICE DE SEMPRE…

Trocaram o NOME, portanto, o FILHOTE perdeu o seu lugar comum ao lado do EXECUTOR, tal prática vem ocorrendo faz anos e anos, haja vista as TROCAS NADA SIMBÓLICAS que estiveram neste MEIO TEMPO QUASE FINAL…

Porém, não se pode deixar de lado que existem muitas CARTAS nesta ou naquela outra MANGA (sic), tendo em vista que o JOGO continua mais VICIADO do que nunca…

Os famigerados tais GRUPOS de APOIO, neste caso em especial, TRAVESTIDOS DE PARTIDO POLÍTICOS, continuam com as mesmas MANOBRAS de sempre, portanto, registra-se mais uma vez o velho dito popular, a saber: MUDAM AS MOSCAS, MAS A M… É SEMPRE A MESMA…

Tal qual aqueles VELHOS TEMPOS, todavia, como este é um PAÍS SEM MEMÓRIA, ficar sempre o DITO PELO NÃO DITO, por isso, faz-se necessário estar sempre em sintonia com a REFLEXÃO CRÍTICA para o BEM ou para o MAL, porém, pode ser pelo lado BOM ou pelo lado MAU…

O que pode ocorrer daqui pra frente vai depender do GRAU deste ou daquele PAVÃO, isso mesmo, com os 4 PRÉ do APOCALÍPSE PROVINCIANO, fica mais do que complicado determinar o nível de atuação deste GRUPO contra os outros GRUPOS de um mesmo GRUPO…

No meu caso em especial, VOTO EM BRANCO, isso mesmo, não estou comprometido com essas CAUSAS que buscar apenas o PODER pelo PODER com o PODER…

Ah! Com certeza, por trás deste PSEUDO PODER encontra-se as DITAS, talvez, MALDITAS TROCAS em nome disto ou daquilo, desta forma, cada qual deve saber pra onde IR, se possível, pensando em VOLTAR…

Pra reforçar, PERDERAM MANÉS!

QUEM SOBREVIVER VAI SABER,,,

 

__________________________________

e-mail: [email protected]

 

Continue lendo

Mais Lidas

error: O conteúdo está protegido !!