Connect with us

Geral

Pessoas com comorbidades devem ser vacinadas por idade, orienta Saúde

Publicado

em

O Ministério da Saúde divulgou hoje uma orientação para a vacinação contra a covid-19 de pessoas com comorbidades relacionadas à doença, que incluem condições preexistentes como problemas cardíacos e pulmonares, diabetes e hipertensão arterial. A pasta indica que estados e municípios façam a imunização destes grupos separada por faixas etárias.

Com várias cidades pelo país já tendo concluído a aplicação de pelo menos uma dose para idosos, a implementação da vacinação de pessoas com comorbidades com idade entre 18 e 59 anos se tornou uma questão. Ontem, o governo paulista, por exemplo, cobrou uma definição do governo federal.

Até a orientação de hoje, o Ministério da Saúde tinha apenas identificado a quantidade estimada desse grupo a ser vacinado em 17,8 milhões de pessoas, incluindo nele 21 subgrupos com comorbidades consideradas prioritárias — no total, são mais de 50 patologias, entre condições preexistentes e síndromes.

Agora, a pasta chefiada pelo ministro Marcelo Queiroga indica que estados e municípios organizem suas campanhas de vacinação para pessoas com comorbidades por idade, das mais velhas para as mais novas.

A orientação da Saúde é que as faixas etárias sejam separadas a cada cinco anos, começando pelas pessoas de 55 a 59 anos. Depois, viriam aquelas com idade entre 50 e 54 anos, e assim por diante.

O governo federal ainda destacou que o ideal seria que essas pessoas fossem cadastradas antes no SIPNI (Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações) ou em alguma unidade de saúde do SUS (Sistema Único de Saúde), mas que indica a apresentação de comprovantes médicos na hora da vacinação caso o cadastro não seja possível.

Apesar das orientações federais, estados e municípios seguem tendo autonomia para definirem seus próprios cronogramas de vacinação contra a covid-19.

 

Mais Lidas

error: O conteúdo está protegido !!