Connect with us

Geral

Secretaria de Assistência Social de Adamantina promove palestra em alusão ao Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

Publicado

em

Foi realizada na noite de terça-feira (21), no Anfiteatro Municipal de Adamantina uma palestra em alusão ao Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes ministrada pela psicóloga da Associação de Proteção a Criança, Adolescente e Família de Lucélia (APROCAF), Mércia Troncon.

A temática foi direcionada aos pais dos alunos das pré-escolas (CEMAS) de Adamantina, aos professores e diretores com o objetivo de ensiná-los formas de prevenção.

Conforme explica a palestrante, a faixa etária mais vulnerável aos abusos sexuais são crianças que tem até 13 anos.  O abuso intrafamiliar é o que ocorre em maior número e a literatura diz que o pai é o maior abusador, afirma.

Mércia diz que antigamente a criança não era respeitada, porém de  1950 para cá, depois com a Constituição Federal de 1988 e do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) em 1990, essa situação tem mudado, mas ainda falta muito. “A criança precisa de proteção em todos os aspectos, porque ela é um sujeito de direito, que está em desenvolvimento e precisa ser protegida integralmente”, assegura.

Ainda em sua explanação, a psicóloga apontou quais são as crianças mais vulneráveis aos abusos. “As mais novas, que tem baixa autoestima, que sofrem com zombarias ou são criticadas, que são muito amigáveis e pouco vigiadas”, expõe.

Ela ainda disse que a criança que foi abusada pode ter sentimento de culpa, distúrbios comportamentais, vergonha, distúrbios alimentares, distúrbios de sono, medos e outros problemas emocionais que poderão se manifestar em longo prazo.

“Para romper com a violência sexual contra as crianças e adolescentes, é necessário que os pais/responsáveis protejam seus filhos, orientando-os sobre sexualidade, sobre o ‘bom toque, mau toque’, estando presentes na vida deles. Todos nós, pais, profissionais, cidadãos somos responsáveis pela proteção de nossas crianças e assim precisamos denunciar no Conselho Tutelar da cidade ou pelo Disque 100. Não é preciso ter certeza do abuso, se houver a suspeita já se deve denunciar. As denúncias poderão ser feitas de forma anônima”, finaliza.

 

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ADAMANTINA

Jornalista Natacha Dominato

Publicidade

Mais Lidas